top of page

VOCÊ SABE O QUE É A JUSTIÇA RECRIATIVA?

O método recriativo perpassa pelo restaurativo, mas não para nele, se adianta.


Explica Antônio Beristain que o método restaurativo “procura solucionar o problema, restaurar o dano resultante do delito”, enquanto a recriadora “não admite uma culpabilidade moral, unicamente admite a culpabilidade jurídica” e empenha-se “a favor da restauração, mas não a considera suficiente, porque esta olha o passado mais que o futuro".

O modelo recriador busca a “compreensão” do comportamento do infrator, das vítimas e da sociedade, e a partir dela, como resposta, a criação que preencha o dano ocasionado pelo desvio e, mais que isso, que possibilite e fomente a “evolução reavaliadora para o amanhã”.


A Justiça Recriadora, na proposta de Beristain, deseja recriar a convivência harmoniosa, superando “a repetição circular da cultura helênica”, evitando-se a repetição até o acerto, mas seguindo e recriando um novo viver.


Esse modelo deverá servir-se das diversas teorias construtivistas e na moderna antropologia que “constata o poder inovador da pessoa e da construção social da realidade”, colaborando para que a pessoa alcance “um jeito humanamente produtivo, não no sentido mercantil fabricador de objetos, senão no pessoal, recriador de sujeitos, começando por si mesmo”.

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page