top of page

CONHECIMENTO E AFETIVIDADE NA CONTRAMÃO




Todos sabemos que o ser humano evolui intelectualmente muito mais rápido que moral e eticamente. Basta observarmos o avanço tecnológico e científico atual, as promessas evolucionistas e compararmos com a crescente onda de violência que cerca a humanidade, as guerras em nome de "Deus", o aumento do consumo de drogas, a banalização da sexualidade etc.


Em muitas situações necessitamos não de ciência ou intelecto, mas de humanização, afetividade, solidariedade e fraternidade. Esta última, pela importância que tem, está prevista no artigo I da Declaração Universal dos Direitos Humanos: "Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade".


Infelizmente visualizamos que muitos profissionais, com avançada técnica e um intelecto diferenciado, não conseguem ter um mínimo de tato no trato com o outro.


Em todas as áreas encontramos estes profissionais, não sendo diferente na jurídica. É muito comum nos depararmos com "operadores jurídicos" que agem como operadores de máquinas (a máquina do direito, da lei) e esquecem que o fim a que se destina toda a produção legal é o ser humano.


Seja o autor ou o demandado, o acusado ou a vítima, as testemunhas ou os profissionais que atuem no processo, o que se espera é que a técnica não se sobreponha ao ser humano. É possível aplicar a lei, com toda a sua dureza, respeitando a dignidade das pessoas que integram o processo.


Alexandre Morais da Rosa, no seu livro Decisão Penal: a bricolage de significantes, já afirmava que a sentença penal é produzida seguindo-se uma receita, da mesma forma que se faz um bolo qualquer. Basta o passo a passo dos "manuais" que a sentença sairá dos fornos prontinha, sem muitas vezes e na maioria das vezes, ter o juiz analisado o caso sub judice de forma concreta e individualizada.


Os tribunais de justiça disponibilizam aos juízes modelos de sentenças. Triste! Nos tornamos meros objetos enquadráveis em modelos.


Isso demonstra a falta de humanização nas relações jurídicas, onde o que importa é muitas vezes as metas de "produção" (onde o produto sãos as partes do processo) a serem alcançadas; quanto mais processo for julgado, mais bem visto pelo "Tribunal-Pai" será o julgador.


A seguir me utilizo do texto produzido pela Psicóloga Mayara Cristina Fonseca, onde ela demonstra, com clareza, a ausência de humanização nas relações profissionais:


"Pensando em humanização OU desumanização


Interessante termos uma palavra que categorize algo que, a princípio, seria “natural” ou seja, o ser humano, humanizado.


Que confusão é essa?


Precisamos definir o que é humano para o próprio humano? Como podemos pensar em um ser humano desumanizado? Parece-me que esta situação se configura nas relações sociais, nas relações diárias, rotineiras, de trabalho, afetivas, enfim, nas relações entre humano e humano.


E com isso, mais precisamente podemos pensar nas relações estabelecidas em nossas profissões, seja ela qual for, como agimos (e sentimos) com o Outro a nossa frente.


O profissionalismo requer dedicação e conhecimento técnico, não há dúvidas quanto a isso, mas a serviço de que a técnica está? Então, porque a técnica ficou tão refinada, tão maravilhosa, tão importante, enquanto temos alguém operando a técnica em “benefício” de Outro, sem ao menos olhar, estar de fato diante deste Outro.


Muitas vezes parece que, para se adquirir conhecimento técnico, “um saber”, é preciso se distanciar, mostrar-se (in)diferente, colocar-se em outro lugar. Observemos a nossa volta, quantos “Doutores” estão trabalhando e se relacionando apenas com os papéis, com um corpo doente, penalizado, com os números a sua frente.


Valdemar A. Angerami Camon, contribui significativamente para esta reflexão: "Reconhecer o outro como semelhante é uma das mais difíceis condições de nossa própria humanidade. Falamos de maneira fácil nesse reconhecimento, mas nossa cotidianidade está cheia de exemplos a mostrar o quanto estamos distantes dessa afirmação" (Psicossomática e suas interfaces: o processo silencioso do adoecimento, 2012, Editora Cengage Learning, p. 6).


É fato tal afirmação. Pois quando nos deparamos (ou ouvimos alguém comentar) que aquele “Doutor” é tão bom, pois ele “conversa”, “cumprimenta”, “trata bem”. Nossa! O que deveria ser natural em uma relação profissional, pessoas se cumprimentarem, conversarem sobre suas questões, com respeito mútuo, acaba sendo a exceção, ou talvez, para ser menos pessimista, a minoria.


Pensemos na sabedoria infantil, que se preocupa em estar com o outro, com o afeto. Com a intelectualização vamos perdendo esta sabedoria emocional de uma forma arrebatadora. Será que não dá para conciliá-la com os aprendizados que vamos adquirindo? Em que momento aprendemos que precisamos separar e categorizar?


Conhecimento e afetividade na contramão. Será que não dá para construirmos uma estrada de mão dupla aí? O caminho é mais seguro e lado a lado. E a construção é diária, nos detalhes, porque a técnica sozinha não é nada, é preciso um coração por traz da máquina, dos livros, dos papéis. Lembremo-nos que levamos conosco a cada segundo a construção de nossas escolhas, e a vida faz um convite todos os dias para que tenhamos consciência do quanto somos capazes e responsáveis pela realidade que se apresenta.


Ressalto Camon que escreve sobre o profissional da saúde, mas que cabe a todos os profissionais: "Ao negar a dor do outro, o profissional da saúde não apenas nega a dor de seu semelhante, como também a sua própria condição humana, pois dentre as virtudes humanas, uma das que mais nos diferencia de outras espécies é justamente aquela que nos capacita a compreender e a apreender a dor do outro naqueles momentos em que a fragilidade humana deveria evocar outra virtude humana: a fraternidade" (op, cit p. 26).


Sigamos nossa construção pessoal, observando como estamos vivenciando nossa prática profissional, ou seja, pessoal."


Abordo, no livro Justiça Atópica: Ensaio para uma justiça sistêmica, transdisciplinar e transpessoal (Editora Tabebuia 2020), a necessidade dos profissionais que militam no Direito olharem para suas questões pessoais e perceberem até que ponto suas angústias e vivências não resolvidas estão influenciando sua profissão, seu afeto.







85 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page